Monday, January 16, 2017

Veados voltam à Serra da Lousã





Veado na Serra da Lousã, Portugal
creditos: Armindo Alves

Os veados voltaram à Serra da Lousã, mais de um século e meio depois de da sua extinção. Hoje voltaram a fazer daquela região a sua casa. 

Actualmente, há na Serra mais de três mil animais em estado selvagem, o que confirma "o sucesso do programa de reintrodução da espécie", afirma o biólogo Carlos Fonseca, da Unidade da Vida Selvagem (UVS) do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA), que coordenou a acção. 

Iniciado em 1995, o programa de reintrodução dos veados naquela região incidiu sobretudo nos concelhos da Lousã, Figueiró dos Vinhos, Penela, Miranda do Corvo, Góis, Castanheira de Pêra e Pampilhosa da Serra. Decorreu até 2004.





Veados Serra da Lousã, Portugal
créditos: Autor não identificado

Foram usados 120 animais provenientes da Zona de Caça Nacional da Contenda e da Tapada de Vila Viçosa.

As contagens da equipa de biólogos da Universidade de Aveiro, realizadas ao longo do último ano e meio, mostram que a espécie não só floresceu como se propagou pela região. Existindo agora, mais de três mil animais em estado selvagem.

Segundo a equipa de Carlos Fonseca, "o veado é hoje, definitivamente, um ex libris de toda a Serra da Lousã", e tem por isso "um forte potencial económico, cinegético e turístico" na região.




Veado Serra da Lousã, Portugal
créditos: Jorge Nunes

"Estes resultados", sublinha ainda o responsável pela equipa, "demonstram que a reintrodução de veados na serra da Lousã foi um sucesso, não só pela sua sustentabilidade biológica e ecológica, como também pelo número de efectivos e a área de distribuição actuais".

Essa área é hoje superior a 90 mil hectares, "limitada a norte pelo Mondego e a Sul pelo Zêzere", adianta a bióloga Ana Valente que também faz parte do projecto.

Os resultados das contagens acabam de ser publicados pela equipa da Aveiro na revista científica International Journal of Biodiversity Science, Ecosystem Services & Management e confirmam o projecto como um dos casos de sucesso na área da conservação a nível nacional e europeu.



credits: Elyx 

É para nós uma grande alegria como ambientalistas voluntários online e na vida real,  integrar mais um post no nosso blog Geração Verde sobre a reintrodução de animais selvagens nas serras do nosso país.

Começámos no escola secundária, aos 12 anos. E passados mais de dez anos, aqui continuamos, nos nossos tempos livres, apoiados pela nossa antiga professora, sempre online, ambientalista também, que introduziu a Educação Ambiental nos currículos de Língua Portuguesa e Cidadania.

Depois do sucesso da reintrodução do lobo Ibérico (2012). Seguiu-se a reintrodução do lince Ibérico (2014). E agora do veado, todos no norte do país.

Parabéns a todas as equipas que têm a seu cargo esta missão tão meritória ligada à Biodiversidade.





Veado Serra da Lousã, Portugal
créditos: Maria Augusta Pinto

Red deers were reintroducted in central Portugal, at Serra da Lousã. The reintroduction program took place between 1995 and 2014 by a group of the Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA), Portugal.

Now more than three  thousands deers live willd, not only at Serra da Lousã (central Portugal) but also other region near by. 

So the Portuguese biologist and chief of the group considers this program can be considered a case of success.




Veado Serra da Lousã, Portugal
créditos: Jorge Nunes

During the 1990s, a red deer (Cervus elaphus) reintroduction program took place in central Portugal. Almost two decades after the reintroduction, this study aimed to establish the current state of red deer populations. 

Density estimates were obtained through pellet group counts coupled with distance sampling using 61 linear transects. The results showed that red deer densities are of 3.10 ind./100 ha (95% confidence interval: 1.6–5.9) and this species is widely distributed throughout the area. 

Due to increase in numbers and range since the beginning of the reintroduction, this program can be considered a case of success; however, future monitoring programs should continue to be developed.Read the article here


credits: Elyx 

As as group of students who began to be volunteer environmentalists online and in life. We started at high junior school, we were 12/13 years-old by the hand of our former teacher in school curriculum, Languages and Environmental Education.

Ten years after, here we are, with our former teacher, always online, sharing on our blog Geração Verde, the reintroduction programs of wild animals.

First one, the Iberian wolf reintroduction program (2012). After the Iberian Lynx reintroduction program (2014).  

And now the red deer reintroduction program in central Portugal.

We congratulate all the teams that dedicate their time to a nobel cause. The biodiversity.


Geração 'greeen'

16.01.2017

Creative Commons License

Wednesday, January 11, 2017

Centenário das Reservas Naturais da Rússia







Google Doodle 100º aniversário da Reserva Natural Russa

Hoje, dia 11 Janeiro 2017, Google celebra com um Doodle o 100º aniversário da Reserva Natural Russa. O Doodle é visível na página de entrada do motor de busca na Rússia.

Google já dedicara um Doodle animado no Centenário do Serviço Nacional de Parques dos Estados Unidos, no dia 25 Agosto 2016. O nosso blog Geração Verde publicou um post alusivo.






Kronotsky Nature Reserve

Há precisamente 100 anos, a Rússia estabeleceu a sua primeira reserva natural Zapovednik, reserva natural de Barguzinsky, localizada em Buriatia, na costa nordeste do Lago Baikal

Assim, este dia 11 de Janeiro, o país marca o 100º aniversário do seu sistema pioneiro de protecção de áreas naturais no Dia das Reservas e Parques Nacionais.



Map of zapovedniks in Russia

Actualmente a administração do país de continua a alargar este sistema, com mais de 13.000 áreas naturais que ocupam milhares de hectares de paisagens naturais, cerca de 11,4% do vasto território da Rússia. 

Do mais pequeno ao maior, esta reserva natural inclui 103 reservas, 49 parques nacionais, e 68 santuários naturais nacionais.

Está em curso a expansão para áreas antigas e desenvolvimento de novos territórios. 

Segundo a equipa de Google o Doodle é apresentado estilo bloco de madeira inspirado nos selos postais russos emitidos para celebrar o 50 aniversário de Barguzin, e inspirado nas seis áreas naturais especialmente protegidas: Barguzin Nature Reserve, Ergaki National Park (aka Yergaki), Russian Arctic National Park, Lake Baikal (gelado), Kronotsky Nature Reserve, e Dalnevostochny Morskoy Nature Reserve (Far East Marine Nature Reserve).

Desde 1978, mais de trinta reservas naturais da Rússia foram designadas pela UNESCO como biosfera reservas.

Não deixe de visitar National GeographicLook Inside Russia's Wildest Nature Reserves—Now Turning 100. Uma reportagem sensacional com fotografias belíssimas.







A century ago, Russia established its first Zapovednik (nature reserve), Barguzinsky Nature Reserve, located in Buryatia, on the northeast shores of Lake Baikal. 




Vasyugan Swamp

On January 11, Google celebrates with a Doodle the 100th anniversary of its pioneering system of protecting natural areas with Nature Reserves and National Parks Day

As Google did on September 13, 2016 with a Doodle celebrating the parks and monuments of the U.S. National Parks on the occasion of the National Parks Service centennial





Google Doodle 100º aniversário da Reserva Natural Russa



Google Doodle is rendered in a woodblock style reminiscent of Russian postage stamps issued for Barguzin’s half-centennial, and inspired by six specially protected natural areas: Barguzin Nature Reserve, Ergaki National Park (aka Yergaki), Russian Arctic National Park, Lake Baikal (frozen), Kronotsky Nature Reserve, and Dalnevostochny Morskoy Nature Reserve (Far East Marine Nature Reserve).





A sable peers out from the rocks in Kamchatka, Russia
photo credits: Sergey Gorshkov/ Minden Pictures

Russia’s tumultuous history includes one legacy little known outside its borders, a vast system of protected lands that conservationists have fought for decades to study and protect. Some are so remote and guarded that few of Russia’s own citizens have ever stepped foot in them.
2017 will mark their 100th anniversary. To commemorate the anniversary, Russian president Vladimir Putin has officially decreed 2017 to be the Year of Ecology and Protected Areas.


The Bolshoy Kureiskaya Falls in Plateau Putorana
in Siberia's Putoransky 
photo credits: Sergey Gorshkov/ Minden Pictures


Today, the country’s stewardship of its wild landscapes continues to gain ground, with over 13,000 specially protected natural areas occupying millions of acres, about 11.4 percent of Russia’s vast territory. 

Ranging from tiny to titanic, they include 103 reserves, 49 national parks, and 68 national nature sanctuaries, with initiatives underway to expand old areas and develop new protected territories. 

While the U.S. saw parks as “pleasuring grounds” for recreation-seekers, turn of the century Russian conservationists like Grigory Kozhevnikov had been calling for the opposite:the protection of Russia’s natural wealth from its own people.





The Kanda Falls cascade to waters below in Plateau Putorana
 in Siberia’s Putoransky Zapovednik, established in 1988
photo credits: Sergey Gorshkov/ Minden Pictures



“No need to remove anything, to add anything, to improve anything,” Kozhevnikov wrote. “Nature must be left alone, and we may observe the result.”

Since 1978, more than thirty of Russia's nature reserves have been designated by UNESCO as biosphere reserves.

Don't miss to visit National GeographicLook Inside Russia's Wildest Nature Reserves—Now Turning 100. Awesome article and beautiful phtograhiescom.


Geração 'green'

11.01.2017

Creative Commons License